Jornal da UEM

O site está em processo de atualização. Alguns links de fotos não estão funcionando corretamente.

ISSN: 2238-5010 - Jornal da UEM nº 118 - Dezembro/2014

denizli evden eve nakliyatbursa evden eve nakliyatburdur evden eve nakliyatbolu evden eve nakliyatbitlis evden eve nakliyat
Sitemizden Rokettube videolarini izleyip Sex izle videolarini hd kalitesinde Bedava Porno izleye bilirsiniz Sex Video ücretsiz sitemizde Sex hikayeler hikaye sitemizdir
Estou em: Home
Pesquisa revoluciona sistema de pulverização em lavouras Imprimir E-mail
Jornal 22 - Julho de 2005

Ideal principalmente para estufas, o modelo foi desenvolvido
durante a tese de doutorado de um professor de Agronomia

Paulo Pupim

Após cerca de três anos de pesquisa, o professor José Gilberto Catunda Sales, do Departamento de Agronomia da UEM, elaborou tese de doutorado e desenvolveu um sistema ideal para pulverização que, se aplicado pela indústria, pode beneficiar economicamente o produtor rural, além de aumentar a eficiência desse trabalho.

O tipo de pulverização praticado convencionalmente no Brasil desperdiça muito agrotóxico no trabalho de combate às pragas e às plantas daninhas. Conforme Sales, o País consome cerca de 150 mil toneladas de produtos químicos ao ano, um ralo por onde saem US$ 8 bilhões.

O gasto com agrotóxicos representa cerca de 25% do custo de produção ao agricultor. Com contribuições, como a desenvolvida pelo professor, o consumo pode ser reduzido, mas com a obtenção dos mesmos resultados.

O sistema desenvolvido tem, em princípio, mais condições de ser aplicado nas áreas de estufas.

Do ponto de vista da preservação da natureza, o equipamento é politicamente correto

A pulverização não é a mesma coisa que aplicação, embora pareçam termos semelhantes na visão de um leigo. Enquanto na aplicação o produto deve atingir o alvo com gotas de tamanho e densidade adequados à meta proposta, a pulverização se resume no processo físico-mecânico de quebra do líquido. Dependendo de vários fatores, entre eles, máquina, operador e produto, esse líquido pode não atingir o alvo de forma eficiente ao objetivo proposto.

Isso equivale dizer que na pulverização de um determinado produto, se não for priorizada a eficiência em todas as etapas da operação, os alvos não são afetados, como alguns insetos que se protegem nas partes mais internas das plantas e de algumas ervas daninhas.

Qualquer diminuição na dosagem do produto aplicado na lavoura também faria com que os produtores rurais sofressem menos pressão dos órgãos ambientalistas, pois a medida, do ponto de vista da preservação da natureza, é politicamente correta.

Testes - Para chegar ao modelo ideal, foram analisados diversos ângulos de pulverização numa área experimental no câmpus universitário. Os testes levaram em conta vários fatores, inclusive a interferência do vento.

Sales projetou um pulverizador suspenso por trilhos e impulsionado pelo motor elétrico, que consegue executar a operação de pulverização em um espaço suficiente para as análises exigidas na pesquisa.

Ao longo dos experimentos, os dados apontaram uma variação de ângulo ideal para a aplicação de agrotóxicos. Os testes foram realizados sempre no início da manhã e no final da tarde, quando as condições de vento e umidade relativa do ar favorecem a eficiência da aplicação.

Eficácia - O sistema desenvolvido na UEM buscava confirmar a hipótese de que, mudando a angulação da barra de pulverização, a eficácia na deposição seria melhorada. Os testes foram realizados com capim brachiaria e Sales concluiu que a inclinação da barra de pulverização do equipamento em ângulos de 30 e 45 graus, no mesmo sentido do deslocamento, proporciona maior eficiência de controle do que a obtida com a do ângulo de zero grau, que é comumente utilizada. O professor também afirma que essa modificação na barra poderá favorecer o combate à pragas como a ferrugem da soja.

Pulverização não é o mesmo que aplicação, embora pareçam termos semelhantes na visão de um leigo.

Para estudar a deposição das gotas pulverizadas, foram utilizados cartões de papel sensível à umidade, afixados na base e nas folhas das plantas, para marcar os pontos atingidos pela pulverização durante a experimentação. Atualmente, em vez do agrotóxico o professor vem trabalhando com corantes alimentícios nas cores amarelo e azul. Por meio da leitura por espectrofotometria, que determina a concentração de espécies químicas mediante a absorção de luz, identifica-se exatamente aonde o produto pulverizado é depositado no alvo estabelecido.

Tese - A pesquisa de doutorado teve a orientação do professor Jamil Constantim, também do Departamento de Agronomia da UEM. A tese foi defendida em maio de 2004, época em que a UEM requereu a patente do sistema desenvolvido. O processo ainda está tramitando. Para Sales, o registro do invento traz diversos benefícios para a Universidade. Contribui com a pontuação do curso de Agronomia na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e reforça o reconhecimento da UEM como geradora de informação e tecnologia.

 

indir indir Canli Sohbet hatti sohbet Hatti Numaralari Seks hatti sex hatti Canli Sohbet hatti Canli Sex Numaralari Canli sohbet Hatti Sex hatti antalya escort atasehir escort antalya escort fruitautomaten
Estou em: Home